Como investir em dividendos em 2022 – guia completo

Uma das principais formas de se ganhar dinheiro e multiplicar o patrimônio é investindo em ações de forma consistente. Essa prática, porém, não é nem um pouco simples. Existem diferentes estratégias que devem ser aplicadas da maneira correta para te levar ao sucesso com os investimentos. 

Entre elas, uma das mais conhecidas e praticadas dentro do mercado financeiro é a estratégia de dividendos.  

Se aplicada de forma correta, essa maneira de investir pode te levar ao sucesso com menor risco, sem contar que é a principal forma de você aproveitar os investimentos na etapa de fruição, ou seja, quando você realmente tiver um patrimônio sólido e começar a usufruir dele para uso próprio.  

Quer saber mais sobre como investir em dividendos? Siga neste artigo que vamos te explicar com detalhes essa estratégia.  

Como investir em dividendos
A estratégia de dividendos é uma das mais efetivas para acúmulo de renda (Foto: Pixabay)  

O que são dividendos? 

Para deixar todos na mesma página, é necessário primeiro explicar o que são os dividendos, que são a parte central da estratégia que é tema do artigo. 

Dividendo é nada mais do que parte do lucro da empresa que é distribuído para os acionistas.  

Funciona da seguinte forma: 

Quando uma empresa tem lucro — ou seja, sobra dinheiro no caixa dela depois de pagar todas as obrigações — ela tem que tomar uma decisão do que fazer com esse dinheiro que sobra. 

Ela pode reinvestir no negócio comprando novos equipamentos ou financiando novos projetos, pode manter em caixa para uso futuro e, entre outros possíveis usos, pode usar esse dinheiro como forma de remuneração aos acionistas. Esse último caso é o que chamamos de pagar dividendos.  

Nas empresas de capital aberto, ou seja, aquelas que possuem ações negociadas em bolsa de valores, os dividendos são distribuídos conforme participação na empresa. Sendo assim, quanto mais cotas você tem, mais dinheiro você ganha. 

Por que as empresas pagam dividendos? 

As empresas pagam dividendos principalmente por dois motivos: 

  • Recompensar os seus acionistas 
  • Atrair novos investidores 

Isso acontece, principalmente quando falamos de bolsa de valores, porque as empresas que pagam dividendos generosos geralmente são aquelas que já estão consolidadas e com uma boa fatia de mercado. 

Sendo assim, elas não têm muito mais expectativa de crescimento, já que alcançaram a sua maturidade e têm dominância de mercado. 

Por conta disso, não é vantajoso que ela invista um grande capital em crescimento ou novos projetos, já que ela não tem mais espaço para expandir de forma significativa. 

Nesse cenário, essas empresas precisam pensar em novas formas de atrair investidores. Afinal, se não é possível crescer de forma consistente, os integrantes do mercado precisam de outra motivação para alocar dinheiro nessas empresas. 

É aí que entram os dividendos. Já que não pode atrair pelo crescimento, essas empresas utilizam o pagamento de parte dos seus lucros de forma consistente para premiar o acionista que investe nela e também para atrair novos interessados. 

Com isso, essas companhias se mantêm sólidas e valorizadas no mercado, já que dividendos atrativos e consistentes naturalmente vão atrair novos acionistas e incentivar outros a manterem as cotas. 

Qual a diferença entre dividendos e juros sobre capital próprio (JCP)

A diferença é bem simples. No balanço financeiro, os dividendos são lançados pela empresa como lucro. Já os juros sobre capital próprio são considerados despesas. Com isso, no primeiro caso, a companhia é responsável por arcar com os impostos. Já no segundo, não. 

Portanto, os juros sobre capital próprio são uma vantagem tributária para as empresas, que podem deduzir o pagamento de impostos. 

Para o acionista, porém, é o contrário. Enquanto os dividendos, até o presente momento, são livres do pagamento de imposto de renda, os JCP’s possuem uma alíquota de 15%, que são descontadas diretamente na fonte, ou seja, o dinheiro já cai na sua conta sem essa porcentagem retirada para o IR.   

Quais são as ações que pagam mais dividendos? 

A avaliação da empresa que mais paga dividendos é algo muito complexo. Isso porque o pagamento desse tipo de provento não é linear, ou seja, o valor pode oscilar de tempos em tempos. 

Portanto, você como investidor deve olhar em um recorte maior de tempo, avaliando as empresas que pagam mais dividendos de forma recorrente.  

Um exemplo de como fazer isso está na bolsa dos EUA, em que há uma denominação de empresas que são as “Dividend Aristocrats”. Para entrar nesse índice, as companhias têm que ter pagado dividendos crescentes em cada um dos últimos 25 anos, o que a configura como uma boa pagadora. 

Sendo assim, quando falamos de Brasil, a ideia para seguir a estratégia de investir em dividendos deve ser a mesma: selecionar empresas que pagam de forma constante e crescente, sem olhar apenas para distribuições de proventos isoladas.  

Como posso calcular meu lucro com dividendos? 

Antes de mais nada, é importante ressaltar que o lucro com dividendos não deve ser visto em números brutos, mas sim fazendo a relação do quanto de dividendos você recebeu em relação ao valor da ação. 

Vamos usar um exemplo prático para mostrar essa situação:  

Se você ganhou R$10 de dividendos em uma ação que custa R$50, o seu ganho foi de 20% sobre a cota. 

Já se você ganha R$5 sobre uma ação que custa R$20, o seu ganho foi de 25% sobre cota. 

Portanto, vemos que, por mais que no primeiro exemplo os dividendos pagos foram maiores em valores brutos, no segundo caso o investimento foi mais vantajoso.  

É para isso que você tem que olhar como investidor. 

Inclusive, existe um indicador que utiliza de um racional parecido para calcular o quanto de dividendos uma ação paga. Ele leva o nome de dividend yield.  

O cálculo do DY é simples e parecido com o exemplo que demos. Você deve pegar os dividendos pagos pela empresa nos últimos 12 meses e dividir pelo valor da cota. Com isso, você chega ao dividend yield. Na teoria, quanto maior ele for, melhor. 

É preciso ressaltar, no entanto, que você não deve utilizar esse indicador de forma isolada. Isso principalmente por dois motivos. 

O primeiro é que, como o dividend yield leva em conta o valor da ação, ele pode estar alto porque o preço do ativo está baixo, e essa desvalorização pode ter como motivo algum problema da empresa. Sendo assim, de forma simplificada, DY alto pode significar companhia com um momento conturbado. 

O segundo fator é que o dividend yield, por considerar os últimos 12 meses, tem como recorte o passado. Sendo assim, não é possível saber se esses dividendos seguirão consistentes ao longo do tempo. Por conta disso, é necessário também se aprofundar na empresa e entender o momento dela e consistência dos lucros.  

Outro indicador efetivo para analisar a lucratividade com uma ação é o yield on cost. 

O cálculo é parecido com o do dividend yield. A diferença aqui é que o valor usado para a ação não é o de mercado, mas sim a média do preço que você pagou por esse ativo. 

Dessa forma, você consegue ver o lucro real do seu investimento nesse ativo, já que calcula os dividendos pagos em relação ao preço que você pagou.  

Apesar de você poder fazer esse cálculo por conta própria, atualmente existem diversas ferramentas que facilitam esse tipo de estimativa. Assim, você mecaniza o cálculo do dividend yield e do yield on cost, facilitando a sua visualização.  

Como é feito o pagamento de dividendos? 

O pagamento de dividendos é feito de forma bastante simples. 

As empresas, depois de definirem internamente qual será a quantia em dividendos a ser distribuída aos acionistas, divulgam essa distribuição em um comunicado por meio do seu setor de Relação com Investidores (RI). Isso é feito por meio de um documento chamado no mercado de “Fato Relevante”. 

Fato relevante Taesa
Exemplo de anúncio de dividendos enviado pela Taesa (TAEE3, TAEE4, TAEE11), empresa de transmissão de energia elétrica (Divulgação/Taesa).  

Neste documento, entre outras informações, geralmente está expressa a quantidade de dividendos a ser distribuído por ação e também duas informações que chamamos de “data com” e “data de pagamento”. 

Data com é basicamente o “dia de corte” para definir o pagamento de dividendos. Portanto, quem mantiver as ações até esse dia pré-determinado pela empresa terá o direito de receber esse provento. 

Por exemplo: se uma ação tem “data com” em 3 de agosto, se neste dia você tiver esse ativo no fechamento do mercado, você receberá os dividendos estipulados. 

Já a data de pagamento já é autoexplicativa. É o dia determinado pela empresa para depositar a quantia de dividendos em sua conta. 

Esse depósito é feito automaticamente. Portanto, na data estipulada para pagamento, esse valor aparecerá de forma integral dentro da sua conta na corretora.  

O que você precisa saber antes de investir em dividendos? 

Antes de investir em empresas pagadoras de dividendos, você precisa saber algumas informações básicas sobre o tema. Abaixo reuniremos algumas delas. 

Tipos de dividendos e outros proventos 

Agora que você sabe o que são dividendos com clareza, vamos nos aprofundar um pouco mais no tema. Afinal, não existe somente um tipo de dividendo e de proventos. Conheça a seguir um pouco mais sobre cada um deles. 

  • Em dinheiro 

Os dividendos pagos “em dinheiro” são exatamente aqueles que falamos mais acima. A empresa separa parte dos seus lucros e distribui proporcionalmente aos seus acionistas. Esse montante aparecerá normalmente na conta do investidor no dia estipulado para o pagamento.   

  • Dividendos especiais ou extraordinários 

Os dividendos especiais ou extraordinários nada mais são do que dividendos que são pagos fora da curva de agenda de dividendos.  

Ou seja, a empresa vende algum ativo, tem um aumento de caixa ou outro evento que resulta em ganhos inesperado, e decide por dividir esse valor com os seus acionistas além do pagamento eventual.   

  • Bonificações em Ações 

Essa forma de benefício, como o nome já indica, é quando a empresa distribuiu de forma gratuita novas ações ao seu quadro de acionistas. Essa prática é feita de forma voluntária pela companhia, diferentemente do que acontece com os dividendos, que são obrigatórios e previstos em lei.  

A bonificação em ações costuma ocorrer quando a empresa está em um bom momento e pode premiar os seus investidores. A distribuição é feita de forma proporcional à quantidade de ações que o acionista detém.  

  • Juros sobre capital próprio (JCP) 

Os juros sobre capital próprio são uma forma de distribuição de proventos semelhante ao dividendo, ou seja, você recebe o dinheiro em sua conta da corretora na data estipulada pela empresa no comunicado de anúncio de Fato Relevante. 

A diferença entre os dois é que os juros sobre capital próprio apresentam uma vantagem para as empresas. Isso porque aparecem no balanço financeiro como uma despesa. Com isso, a companhia pode deduzir do pagamento de impostos.  

Em contrapartida, para o investidor, há uma desvantagem. Isso porque os JCP’s são tributados em 15%. Esse valor é retido diretamente na fonte, ou seja, já cai na sua conta com o desconto.  

  • Direito de subscrição 

Esse último tipo de benefício não é exatamente um pagamento de provento. O direito de subscrição acontece quando uma empresa decide aumentar o seu capital, ou seja, emitir novas ações no mercado. 

Para não prejudicar os acionistas, que veriam a porcentagem de participação diminuir com a emissão de novas ações, a empresa dá um direito de preferência para quem já investe na companhia poder comprar as ações primeiro.  

Com isso, é gerado o direito de subscrição, que nada mais é que a possibilidade de comprar novas ações e manter a porcentagem de participação no negócio. Essa quantidade vai ser proporcional ao número de ações que você possui. 

Para ter esse benefício, você deve exercer o direito de subscrição, ou seja, reservar a quantidade de ações disponível para você dentro da data estipulada.  

A boa notícia é que geralmente as subscrições vêm com um valor abaixo do que a ação está sendo negociada no mercado. Com isso, mesmo que o investidor não queira manter os ativos, ele pode exercer o direito e depois vendê-los, realizando o lucro. Apenas se atente para emissões acima do valor de mercado.

Cuidados a serem tomados com seu investimento em dividendos 

Agora listaremos aqui alguns cuidados que você deve ter antes de investir como uma estratégia focada em dividendos. Confira e faça as aquisições da melhor maneira. 

Entenda a política de proventos da empresa 

Um ponto fundamental é entender como funciona a política de proventos da empresa. Afinal, as companhias que têm como característica o pagamento de dividendos deixam isso claro em seus documentos divulgados. 

Para acessar, confira as informações das políticas das empresas no setor de relação com investidores (RI). Geralmente as companhias possuem um site específico para isso.   

RI Vale
Página inicial do site de RI da Vale, empresa brasileira de mineração (Foto: Divulgação/Vale) 

Assim, você consegue coletar informações como a divulgação de pagamentos de dividendos, estratégia da companhia e, principalmente, o valor do que chamamos de payout.  

Esse termo, no mercado de ações, retrata o quanto de seus lucros uma empresa distribui em proventos. Sendo assim, quanto maior o payout, mais a companhia costuma distribuir esse tipo de benefício.  

Portanto, as companhias que têm como característica serem boas pagadoras de dividendos têm um payout elevado, distribuindo grande parte dos seus lucros aos acionistas.  

Geralmente, para uma empresa ser considerada como uma boa pagadora de proventos, ela deve ter um payout de no mínimo 50%. Em uma estratégia de dividendos, essas são as companhias que você deve buscar. 

Diversifique  

Outra atitude importantíssima, mesmo em uma estratégia focada em dividendos, é que você diversifique os seus investimentos em diversas empresas. 

Primeiramente por um fator geral nos investimentos, que é a diluição dos riscos. Afinal, por mais que se trate de empresas sólidas, há sempre o perigo de se investir somente em um ativo. Isso porque as empresas correm riscos de passar por maus momentos e a diversificação impede um grande impacto em relação a isso. 

Já o outro fator mais específico é que, em virtude de um mau momento ou até mesmo por questões de estratégia, as empresas podem deixar de serem boas pagadoras de dividendos. Tanto pela questão de queda dos lucros como de diminuição do payout

Em virtude disso, ao realizar a diversificação, você dilui o risco de ver a sua renda com dividendos diminuir. Afinal, será apenas uma parte da sua carteira que enfrentará problemas. Além disso, será muito mais fácil substituir apenas uma peça do que mexer em tudo.   

Priorize ações preferenciais 

Esse tópico não é uma regra inviolável, mas é importante ressaltá-lo.  

Isso porque, por regra, as ações preferencias (aquelas que possuem o código com final 4) têm prioridade no pagamento de proventos. Portanto, geralmente esse tipo de ação terá um fluxo de distribuição de dividendos maior. 

Isso, porém, não é um fato absoluto. Até porque muitas empresas atualmente só possuem somente ações ordinárias negociadas no mercado financeiro — as que fazem parte do modelo de Governança do Novo Mercado — e mesmo assim são boas pagadoras de dividendos.  

Portanto, o ideal é que você analise mais a fundo as ações e avalie como é o pagamento de dividendos de cada uma delas e qual oferece o melhor dividend yield.  

Foco em períodos distintos de pagamento 

Esse ponto aqui é fundamental principalmente caso você esteja montando uma carteira de dividendos com o intuito de usufruir desse valor.  

Isso porque, caso as empresas paguem proventos ao mesmo tempo, o seu fluxo de dividendos será desproporcional e você corre o risco de ficar descapitalizado.  

Já se você seleciona empresas de acordo com o cronograma de pagamento de dividendos delas, você tem um fluxo de proventos muito maior. 

Portanto, focar em empresas que pagam dividendos em períodos distintos pode favorecer o seu fluxo de proventos e torná-lo mais constante. 

A boa notícia é que as empresas costumam ter datas de pagamento que se repetem ao longo dos anos. Com isso, com uma breve pesquisa é possível encontrar os meses que elas costumam pagar proventos e como funciona essa frequência.  

Atenção a projetos da empresa 

Outro ponto importante é que você acompanhe de perto os projetos da empresa. Isso porque isso pode influenciar bastante no pagamento de dividendos. 

Por exemplo: se a empresa deseja investir em alguma nova linha de negócio, provavelmente os dividendos devem diminuir. Afinal, ela usará os lucros para aplicar nesse novo projeto.  

O contrário também pode acontecer. Uma empresa pode ter encerrado um ciclo de projetos e agora só vai usufruir da renda alcançada após as entregas. Portanto, nesse caso, ela aumentará o pagamento de dividendos. 

Há também a possibilidade da venda de algum ativo da companhia em que os lucros podem ser distribuídos em forma de dividendos. 

Portanto, existem inúmeras possibilidades. Por isso, é importante acompanhar de perto as empresas para evitar ser surpreendido ou também aproveitar boas oportunidades de ganhos com dividendos.  

Analise diferentes indicadores 

Para fechar, vale reforçarmos o que falamos no começo do artigo: não se prenda a apenas um indicador isolado, analise todos! 

Portanto, para analisar se uma empresa paga bons dividendos, de forma constante e consistente, olhe para indicadores como dividend yield, payout, lucro líquido (que seja crescente), entre outras opções. Vale também observar o yield on cost para avaliar se os dividendos estão valendo a pena ou não.  

Como investir em ações que pagam dividendos em 5 passos rápidos 

Agora vamos para a parte prática. Quer começar a investir em dividendos? Então aprenda como fazer com esses 5 passos rápidos e simples. 

1. Abra uma conta para gerenciar os seus investimentos 

Para conseguir comprar ações na bolsa de valores, é preciso abrir uma conta em uma corretora. Portanto, a primeira coisa a se fazer no processo é exatamente isso. 

Para isso, porém, é necessário avaliação. Afinal, para colocar o seu dinheiro você vai querer a corretora que oferece os melhores serviços, não é mesmo? 

Portanto, faça uma avaliação das instituições levando em conta critérios como qualidade da plataforma e aplicativo, bom atendimento, baixo índice de reclamações, pouca ou nenhuma cobrança de taxas, entre outros fatores. 

Assim, você vai poder selecionar com maior qualidade e já começar a investir, sem ter o trabalho de transferir a sua conta no futuro por ter feito uma escolha errada. 

Para abrir uma conta em uma corretora atualmente é bastante simples e rápido, levando poucos minutos e necessitando apenas de alguns documentos. Sendo assim, perca o medo e comece agora mesmo! 

2. Transfira o dinheiro para começar a investir 

Depois de abrir a conta na corretora e ter respondido todas as solicitações da instituição financeira, chegou a hora de transferir o seu dinheiro para lá. 

Vale ressaltar, porém, que as corretoras só costumam aceitar a transferência com origem em uma conta com o mesmo nome do titular.  

Portanto, transfira o dinheiro de uma conta que você possui em algum banco. Em poucos instantes o valor já aparecerá na corretora e estará disponível para você investir.  

3. Acesse as recomendações de ações que pagam dividendos 

Uma das opções para investir em ações pagadoras de dividendos da melhor maneira é solicitar auxílio de uma carteira recomendada. 

Afinal, analisar ações por conta própria é uma tarefa complicada e que leva tempo, ainda mais caso você seja um investidor iniciante e que passa horas do dia dedicado à sua atividade profissional. 

Portanto, para facilitar o processo e ter acesso à uma carteira de ações pagadoras de dividendos de qualidade uma solução é pedir auxílio para uma casa de análise de ativos, como a Spiti

Essas instituições contam com analistas qualificados que passam o dia estudando ativos para dar as melhores indicações para os clientes. 

Para ter acesso a esse material, basta assinar a carteira recomendada da casa de análise e começar a comprar os ativos que elas disponibilizam.  

Lembre-se sempre de montar uma carteira diversificada, o que vai ajudar a diluir o risco de colocar todo o dinheiro em apenas uma ação.  

4. Compre as ações escolhidas 

Independentemente do método que você escolheu, feita a seleção, chegou a hora de comprar os ativos na prática. 

Para isso, você deve se encaminhar para a área do site da corretora onde são feitas as negociações. 

A ferramenta mais comum para a compra de ações é o home broker. Lá você consegue conferir as cotações em tempo real e emitir a ordem de compra dos seus ativos.  

Home broker
O home broker é ambiente onde você compra os seus ativos (Foto: Unsplash) 

Vale ressaltar também que atualmente as corretoras possuem ferramentas mais práticas e intuitivas para a compra de ativos. Portanto, também é uma opção para você emitir a compra da ação caso prefira. 

Seja no home broker ou em outra ferramenta da corretora, basta agora você escrever o código da ação escolhida, a quantidade e emitir a ordem de compra.  

Se for comprar uma quantidade menor do que 100 ações, lembre-se de colocar a letra F ao final do código, indicando que você quer comprar no mercado fracionário. 

Feito isso, basta confirmar a compra e prontinho! Você comprou a sua ação de dividendos. 

Se quiser saber como fazer na prática, fizemos um passo a passo detalhado sobre como comprar ações. 

5. Reinvista os lucros recebidos 

Achou que agora acabou a tarefa? Nada disso! Ao comprar as suas primeiras ações o seu trabalho como investidor está apenas começando. 

Siga acompanhando os ativos, checando a periodicidade dos dividendos e, principalmente se você é novo e quer construir patrimônio, reinvista os lucros recebidos! 

Você pode estar perguntado: mas os dividendos não são um dinheiro que aparece na minha conta para eu usar? 

Sim, mas isso deve ser feito apenas no momento em que você construiu um grande patrimônio e pode se dar ao luxo de se beneficiar dos dividendos acumulados. 

Enquanto isso, no entanto, o ideal é que você use os dividendos para aumentar a sua capacidade de fazer aportes e potencializar os retornos. Afinal, reinvestir os dividendos é fundamental para a valorização das ações que têm essa característica. 

Dessa forma, nos primeiros anos de investimento a ideia é que você siga reinvestindo os dividendos para alimentar a bola de neve dos juros compostos. 

Em alguns anos com essa prática, os dividendos vão ser uma quantidade considerável e, aos poucos, vão ser suficientes para que você diminua os aportes do seu bolso, podendo até chegar a reinvestir somente os dividendos para alimentar a bola de neve dos investimentos. 

Portanto, siga a prática de reinvestir os dividendos!  

Conclusão 

Pronto! Agora você já sabe como investir em dividendos, como funciona essa estratégia, as principais regras e também como aplicá-la na prática! 

Agora basta ter disciplina para seguir investindo todos os meses e ir alimentando a bola de neve, fazendo com que no futuro você possa usufruir dos seus grandes dividendos sem risco de prejudicar o seu patrimônio.  

Para aprender como investir o seu dinheiro da melhor maneira, potencializando os resultados, te convidamos a conhecer a Finclass! 

Em nossa plataforma, você encontra aulas com os mais renomados nomes do mercado financeiro, que te ensinam as principais técnicas aprendidas nos longos anos de atuação. 

Não perca a oportunidade! Confira já como funciona a nossa plataforma e aprenda a investir melhor! 

Related Posts